Machu Picchu no Peru precisa estar nos seus planos entre aqueles lugares para se ir antes de morrer. Mas como fazer isso na prática?  O que eu preciso saber para meu roteiro ser perfeito?

Acompanhe neste artigo, de maneira rápida e fácil de entender, como chegamos a incrível e mágica Machu Picchu no Peru.

Antes de você continuar vai um dica sincera do que você NÃO irá encontrar nesse artigo:

  • História dos Incas
  • Detalhes de todos os locais do Vale Sagrado
  • Detalhes do que explorar em Cusco

Este artigo tem como objetivo trazer de forma direta como foi nosso roteiro para chegar em Machu Picchu, sem enrolação e papo furado.

Preparado? Vamos lá!

Cusco é o seu destino aéreo.

Primeiro. Você não chega a Machu Picchu de Avião ou Carro. As únicas opções são a pé e de trem. E temos certeza que 99% das pessoas usam a segunda opção.

Mas antes do trem, você precisa chegar no Peru. Portanto, quando você for comprar sua passagem de avião, seu destino final deve ser Cusco. Não existem vôos diretos para Cusco, desta forma provavelmente você irá fazer uma escala em Lima. Muitas pessoas ficam uns dois dias antes ou depois em Lima, para conhecer a capital Peruana. Agora, se você tem poucos dias ou se seu único interesse é Machu Picchu, faça como fizemos, “tocamos” direto a Cusco.

Voamos com a Latam fazendo o percurso Florianópolis – Guarulhos,  Guarulhos – Lima (5 hrs de viagem), Lima – Cusco (1 hora de viagem).

Parabéns, você chegou em Cusco. E agora para onde ir?

Praça das Armas em Cusco. Esta é a principal atração turística da capital do Império Inca.

Roteiros Disponíveis e o nosso Roteiro.

Muitos turistas usam Cusco como sua base para fazer todos os passeios (incluindo Machu Picchu). De fato de todas as cidades da região, Cusco é a que possui os melhores hotéis, restaurantes e agências de turismo com passeios para todos os locais. Se você quer conhecer Machu Picchu partindo de Cusco, isso é possível, mas não aconselhável. Se essa for a sua escolha, prepare-se para ficar mais de meio dia andando de Van e trem e acima de tudo chegar no parque apenas na parte da tarde, o que significa muito mais pessoas e fila.

Ir ao parque bem cedo foi uma grande e acertada escolha nossa, pois além da quantidade menor de pessoas, o sol queimava um pouco menos (mas ainda assim queimava, leve protetor!)

Para chegar cedo ao parque você precisa dormir na noite anterior na cidade de Aguas Calientes ou em Ollantaytambo (carinhosamente conhecida como Ollanta). Na primeira, logo cedo (o parque abre as 6 da manhã) basta você pegar o MicroOnibus/Van e subir ao parque. No caso da segunda, é necessário pegar um trem as 05:15 da manhã (esse é o primeiro horário) e 1h e 30 minutos depois você estará em Águas Calientes a apenas 8 km da cidade sagrada.

Optamos por dormir em Ollanta, e na sequência você vai descobrir por que.

 

Ollantaytambo. Ela vai te surpreender.

Esta é uma das principais cidades do chamado Vale Sagrado. Ela fica a 2.400 metros de altitude, e como queríamos tentar driblar os 3.400 metros de Cusco e suas possíveis consequências (em função do famoso mal da altitude), assim que chegamos no aeroporto pegamos um táxi e uma hora e meia depois estávamos em Ollanta.

Ollanta ao fundo.

Ollanta não tem toda a infraestrutura de Cusco. Mas deu conta do recado tranquilamente. Ficamos três noites na cidade em um hotel muito charmoso e rústico.

Vista da Sacada do Nosso Quarto

Não se perca no roteiro:

Dia 1 – Saímos de Guarulhos (SP) 2:20 da Manhã

Dia 2 – Chegamos em Lima de manhã bem cedo. Pegamos uma conexão e por volta das 14:30 da tarde estávamos em Cusco. Depois de mascarmos as primeiras folhas de Coca (é totalmente legal e vai te ajudar) pegamos nosso táxi previamente reservado com o hotel e por volta das 16 hrs estávamos em Ollanta.  Deixamos as malas no hotel e saímos para explorar a pequena cidade.

A pizza desse restaurante em Ollanta era maravilhosa. Local muito bem avaliado no Trip Advisor

Comer no Peru é muito gostoso e barato! Sério….só pelo fato de você não precisar converter dólar e euro para real parece que seu bolso grita de felicidade. A moeda do Peru é o “Soles” e a proporção para o real em abril de 2018 era de praticamente 1 para 1.

Olhe na foto acima. Um delicioso Hambúrguer de Alpaca (não precisa ter dó das Lhamas, Alpaca é um “prima” distante e seu gosto lembra muito a carne de gado, só que mais suculenta) mais batata frita, e uma coca por apenas 19 soles…isso dá 22 reais aproximadamente!  Estamos falando de um restaurante em um cidade extremamente turística, super bem avaliado no Trip Advisor e com WiFi grátis!

Ruazelas e três estudantes peruanos

A cidade toda foi construída sobre ruínas Incas. Isso é algo muito interessante e impressionante.

Dia 3 – Dia de explorar as ruínas de Ollanta.

Acordamos bem cedo e fomos conhecer com calma a principal atração da cidade.

Ruínas – Não se deixe intimidar pelos degraus.

Para subir nelas você paga ingresso. Na entrada eles te oferecem algumas opções com ingressos de praticamente todas as atrações do Vale Sagrado e Cusco. Avalie qual a melhor opção dentro do seu roteiro.

Outra dica. Suba as ruínas com um guia. Estávamos em três e por mais de uma hora recebemos informações muito interessantes pagando somente 90 soles. Eles oferecem seus serviços logo na entrada e seu “portunhol” é nível avançado.

Os conhecimentos em astronomia, matemática e arquitetura do povo Inca é algo impensável. Deixe estes guias te surpreender.
Do Alto das Ruínas
Últimos registros de Ollanta!

Ao final do dia comemos (novamente muito bem!) e fomos dormir cedo, pois as 3:30 da manhã do dia seguinte estaríamos de pé rumo a principal aventura da nossa viagem: MACHU PICCHU!

Machu Picchu: a atração mais aguardada.

Nosso trem rumo à Aguas Calientes partia 05:15 da estação de trem de Ollanta. Viajamos com a Perurail, uma das duas opções de trem para Machu Picchu. Compramos pela internet e optamos por esta companhia pois era o primeiro horário disponível, e como queríamos chegar bem cedo ao parque foi a melhor opção.

Um pequena ressalva: o preço da passagem dessas duas companhias é bem salgado. Entre os maiores custos de sua trip para Machu Picchu, este provavelmente só irá perder para a passagem aérea. As duas companhias também tem preços bem similares.

4:40 em ponto estávamos na estação de Ollanta.

Estação de Ollanta
Os trens são TOP. Aconchegantes e com boa visão do belo trajeto entre as montanhas.

Levamos uma mochila com comida e café, e acompanhamos o nascer do sol tomando um café da manhã diferenciado a beira do rio Urubamba. Uma hora e 30 minutos depois estávamos na cidade de Aguas Calientes e a 30 minutos de Machu Picchu.

Aguas Calientes e sua fila para pegar o Micro Ônibus até a entrada do parque.
Preços de Ida e Volta do “Bus”

Machu Picchu Sem “Spoilers”

E então chegamos a um dos lugares mais fantásticos e impressionantes do planeta. Como já havíamos dito, não é a ideia aqui falar sobre a história e cada detalhe do parque. Você precisa ir para tirar suas próprias conclusões.

As últimas dicas que podemos lhe passar sobre Machu Picchu são:

  • Leve Protetor Solar. O sol queima bastante lá em cima.
  • Contrate um guia na entrada. No nosso caso pagamos um guia (também com portunhol avançado) por 120 soles no total. Ele ficou praticamente 1 hora e trinta minutos conosco e suas informações e indicações foram fantásticas. Foi uma incrível aula de história, matemática e arquitetura. No nosso caso ficamos com ele das 8 até mais ou menos 09:30, depois ficamos livre para passear, bater fotos e voltar a lugares até quase 12:30.
  • O banheiro do parque fica na entrada ao preço de 2 soles. Faça seu pit stop antes de entrar. Você tem direito a duas entradas por pessoa no mesmo período.
  • Falando em Ingresso, compre ele antecipadamente pela Internet no site do governo peruano (clique aqui) Eles são limitados por uma questão de preservação do parque.
  • Leve uma mochila com comida e água, pois dentro do parque não existem lugares para vender, somente na entrada e a preços um pouco mais salgados.

Agora acompanhe um pouco mais (em fotos) da nossa experiência neste lugar mágico.

Existem várias Lhamas extremamente simpáticas pelo parque
Não deixe de tirar sua selfie com elas
Perfeito
Lindo
A foto tradicional não poderia faltar. Quanto mais tarde você chegar mais gente você vai encontrar (e mais dificuldade para tirar suas fotos também).
Incrível

As 15:30 nosso trem partiu de Aguas Calientes rumo a Ollanta e no final da tarde (depois de mais uma jantar fabuloso) fomos descansar.

Vale Sagrado (Salinas de Maras e Moray)

No dia seguinte foi hora de dar adeus a Ollanta. Saíamos cedo em direção a Cusco, local onde iríamos passar nossas duas últimas noites no Peru. No meio do caminho paramos em alguns lugares que fazem parte do famoso Vale Sagrado. Se você tiver tempo até vale a pena. Os dois mais interessantes são as Salinas de Maras e o sitio arqueológico de Moray.

Salinas de Maras
Caminho entre as Salinas e Moray é muito bonito
Moray – Local onde os Incas faziam experimentos agrícolas
Muita feira e artesanato local em cada uma das atrações.

Ao final da tarde já estávamos em Cusco. E a noite fomos surpreendidos com algo fora do planejamento.

Cusco e o Mal da Altitude

Lembra no começo deste artigo que optamos por seguir direto para Ollanta para evitar o famoso mal da altitude em Cusco?

Ele deu certo em partes.

De fato em Ollanta e Machu Picchu (ambos com aproximadamente 2.400 m de altitude) não tivemos falta de ar ou qualquer outro tipo de sintoma. Achávamos que nosso corpo se adaptaria nesses primeiros dias e assim ao passar os últimos dois dias em Cusco nada sentiríamos.

Infelizmente cansamos muito em Cusco (qualquer escada e a língua saía da boca) e principalmente à noite, a sensação de falta de ar fazia nossa noite de sono ser péssima.

Mas não se preocupe. Existem muitos relatos de pessoas que dizem que nada sentiram em Cusco. De qualquer forma, se você se sentir mal, use e abuse das folhas e chás de coca que os hotéis oferecem. Elas realmente nos fizeram dormir melhor na nossa segunda noite em Cusco.

A coca é legal e vai te ajudar em Cusco. Não se envergonhe ou tenha medo de mascar sua folhinha

Para fechar o nosso papo (afinal o combinado era falar apenas de como chegar em Machu Picchu, certo?) o que fazer em Cusco?

Como já dissemos, Cusco é a cidade mais bem estruturada de toda a região do Vale Sagrado. Existem muitos museus e ruínas nesta cidade. Seus restaurantes também são ótimos. Com um dia inteiro, cremos que você pode conhecer bastante coisa.

Principal ponto turístico de Cusco

Resumão

Gostamos muito, mas muito mesmo do nosso roteiro. Creio que atendeu a tudo o que de fato queríamos conhecer. Talvez estes dois últimos dias de Cusco poderiam ter ficado no inicio… mas de qualquer forma foi PERFEITO!

  • Dia 1 (Terça): Florianópolis – Guarulhos (SP) – Lima – Cusco (Saímos de Floripa 20 hrs e chegamos em Cusco as 14:30 do dia seguinte)
  • Dia 2 (Quarta): Cusco – Ollantaytambo (chegada em Ollanta as 16:30)
  • Dia 3 (Quinta): Explorando Ollanta
  • Dia 4 (Sexta): Machu Picchu
  • Dia 5 (Sábado): Ollanta – Maras – Moray – Cusco
  • Dia 6 (Domingo): Explorando Cusco
  • Dia 7 (Segunda): Retorno ao Brasil pela manhã

 

Quer saber mais sobre essa nossa viagem para o Peru? Siga nosso Instagram (@feriastodentro), lá você vai encontrar Stories (vídeos) sobre cada local que você viu neste artigo.

Conheça também nosso instagram que vai inspirar você: @sucessotodentro.

Tem curiosidade de saber como montamos e planejamos todas as nossas viagens? Dê uma espiada no nosso E-book “Criando sua própria viagem”. (clique aqui).

Por fim, tem dúvidas em fazer ou não um Cruzeiro de Luxo? Acesse um dos nossos artigos mais visualizados do site: “Cruzeiros: fazer ou não fazer? Eis a questão”.

Até Breve!

Dênis e Gisele

Viajantes, Investidores, Apaixonados um pelo outro e pelo Balbo.

Deixe uma comentário