Este é um assunto polêmico e desde já é importante ficar bem claro que não existe uma formula pronta ou uma receita completa que você começa a usar e tudo fica bem dentro da vida financeira de um casal. As pessoas são diferentes e consequentemente os casais também. Quando adicionamos a palavra dinheiro no meio disso tudo a coisa fica ainda mais complexa e delicada.

O que pretendo neste artigo é lhe repassar o que vem dando certo para nós e também o que os principais livros e artigos especializados abordam e aconselham sobre o assunto. É fato que o assunto finanças  já fez muitos casais se separarem (e muito outros ainda irão). Enquanto que outros conseguem crescer financeiramente e pessoalmente de forma muito intensa quando existe um pensamento único e de respeito ao tratar esse tipo de questão. Vamos começar?

Conta conjunta ou individual?

A grande questão aqui nem passa necessariamente por assinar ou não seu cheque com seu parceiro(a). A primeira lição que os casais bem sucedidos recomendam é: os dois são somente um! Portanto as Receitas e Despesas também precisam ser uma só. Dividir para um pagar a conta de luz, outro o aluguel, etc tende a criar um ambiente de individualismo e falta de visão conjunta que pode trazer problemas.

Vejamos na prática. Primeiro, um dos dois precisa ser aquele responsável pela planilha de receitas e custos, pode ser um APP também e até um caderninho de anotações. Este então deve somar dentro do mês os dois salários e todas as despesas de uma maneira que a “conta feche”. Pronto, esta feito um grande passo para o sucesso financeiro matrimonial. Fácil não? Mais ou menos….

Na maioria dos casos sempre vai existir aquele que ganha mais no casal. Sabe que atitude vocês devem tratar nessa situação? NENHUMA.

Oras, se o grande fator de sucesso financeiro de um casal é juntar as rendas faz diferença se o João ou a Maria ganha mais?

A partir do momento em que o casal consegue ter essa maturidade, naturalmente cria-se o habito e a atitude para que a receita vinda dos dois aumente cada vez mais, isso independente de que lado virá, pois a renda extra vai beneficiar os dois.

E se eu me separar?

Um dos principais “bloqueios” para um pensamento conjunto sobre finanças é o medo de no futuro nada dar certo e você sair com uma mão na frente e outra atrás.

Para isso existe uma solução que vai ajudar muito: Comunhão Parcial de Bens.  Sim, na vida real muitos casais se separam e antes de trocar as alianças é preciso firmar um contrato. No caso deste regime de casamento tudo aquilo que você conquistou antes de “juntar os cobertores” é seu. A partir do momento da assinatura em cartório tudo aquilo que vocês conquistarem juntos será do casal e portanto não importa quem gerou mais receita ou não pois caso você venha a se separar tudo deve ser dividido em dois. Obvio que com filhos podem surgir alguns acordos, mas de maneira geral a regra é essa.

Agora quando você entra em um casamento, união estável ou qualquer coisa mais séria você já entra pensando em se separar?

Todos os casais vão brigar e ter dificuldades, mas só aqueles que realmente tem amor envolvido e muita vontade em fazer dar certo vão superar qualquer problema, principalmente os financeiros.

Qual carreira deve ser priorizada?

Aqui volta a questão da receita: Quem tem chance de ganhar mais? Essa é uma questão muito difícil na vida de milhares de casais notadamente se um dos dois precisa mudar de cidade. O mudar de cidade muitas vezes implica em alguém deixar seu emprego ou numa situação mais difícil viver separados durante algum tempo. Portanto se existe a possibilidade de o casal optar por não se ver apenas nos finais de semana é natural que aquele que possui uma renda menor e com menos potencial abra mão provisoriamente de sua carreira em prol de sua família e de um potencial aumento da renda para o casal.

O abrir mão provisoriamente de sua carreira, neste caso, significa que você pode nessa nova cidade buscar outros ramos ou negócios e quem sabe ter uma oportunidade maior de aumentar a renda conjunta.

Agora, se vocês dois moram na mesma cidade excelente! Cada uma pode investir ao máximo em sua carreira para aumentar as receitas e consequentemente dar o próximo passo.

O próximo passo.

Vocês se amam, se respeitam, já unificaram as suas receitas e despesas, e tem suas carreiras definidas. E agora?

Tudo isso que falamos até agora significa nem 10% da vida plena financeira que um casal pode começar a conquistar. O que foi dito até aqui é apenas o alicerce para algo muito maior que está por vir quando o assunto é dinheiro. Sugiro que você acesse dois artigos para entender o próximo passo que vocês dois devem seguir (basta clicar em cima):  Dinheiro: Por onde eu começo? e Mas afinal, o que é Independência Financeira?

Para finalizar, uma coisa é muito importante de se dizer: o casamento, a união estável ou um simples “juntar as coisas” é algo sagrado e que todas as pessoas do mundo tem, tiveram ou terão o prazer de viver.  O amor cura, motiva e nos inspira. Use essa força a seu favor e transforme o assunto finanças para casais em um grande aliado para sua felicidade plena e não o principal meio.

Ainda vou falar muito sobre casais e finanças por aqui, uma vez que o assunto é muito extenso e não vai ficar preso somente a este artigo.

Quer mais dicas? Comente, envie email para feriastodentro@gmail.com, siga nosso Instagram ou Curta nossa página no Facebook.

Todo nosso conteúdo você vê primeiro no www.feriastodentro.com.br

Até Breve

 

Viajantes, Investidores, Apaixonados um pelo outro e pelo Balbo.

Deixe uma comentário