Após ler nossa primeira etapa da viagem você já está convencido a ir para as Montanhas Rochosas Canadenses? Acompanhe então a sequência de nossa aventura rumo ao Glaciar Athabasca.

Caso não tenha visto a parte 1 desse roteiro, antes de continuar acesse aqui: Montanhas Rochosas Canadenses: Vale a Pena? Roteiros Parques Jasper e Banff (Parte 1 de 4).

Maligne Canyon e Cidade de Jasper

Dia novo e logo cedo já estávamos na estrada novamente. Aquele friozinho tipico de menos de 10 graus não nos fez deixar nossas bermudas e camisetas leves no hotel pois depois das 10 tudo mudaria. Nesse dia iríamos fazer nossa primeira trilha dentro do Maligne Canyon. Basicamente tem trilha de todos os tipos, lugares e intensidades. Se você for muito fã desse tipo de atividade creio que nem ficando trinta dias por lá você fará todas as opções disponíveis nos dois parques nacionais.

Nós não somos tão fãs de trilha assim, dessa maneira optamos por fazer apenas três trilhas durante a viagem. A primeira foi no Maligne Canyon que durou cerca de 4 horas, depois de uns 6 ou 7 km percorridos (fizemos bem devagar e com muitas paradas para fotos). As trilhas eram bem sinalizadas e cheias de lugares lindos para se contemplar. Acompanhe nas fotos o que você vai encontrar:

A referência do passeio/trilha do Maligne Canyon são suas pontes e localização
Boa parte do caminho você vai seguindo este rio e suas Cachoeiras que formam fissuras como essa no meio das pedras
Passeio muito legal de se fazer
Olha a cor dessa água
Rio, Florestas e Animais Selvagens (até um Urso você pode encontrar)
Em alguns momentos você pode ficar completamente sozinho na trilha. O silêncio e o barulho da floresta é um negócio incrível de vivenciar
Quando nós falamos que é trilha que não acaba mais encare como a mais pura verdade
Tudo muito bem sinalizado
Se o dia for ensolarado melhor ainda

Ficamos no Maligne Canyon das 09:30 até perto das 15 hrs nesse dia. No estacionamento no qual deixamos nosso carro para fazer a trilha tinha até restaurante e lojinha, o que não é muito comum na maior parte das atrações.

Após a trilha, tiramos o dia para conhecer a cidade de Jasper. Ela tem pouco mais de 10 mil habitantes e suas atrações encontram-se basicamente em duas avenidas paralelas onde existem muitas lojinhas de souvenirs, barzinhos, restaurantes e hotéis. É muito agradável de andar pelas ruas, mas sem sombra de dúvidas  Banff tem uma estrutura maior e ainda é mais bonita.

À noite voltamos a Hinton para nossa última noite no hotel de lá.

Jasper

Horseshoe Lake, Athabasca Falls e Highway 93

Hora de deixar nossa base em Hinton e partir para as últimas atrações do Parque Nacional de Jasper. Tínhamos apenas 4 atrações principais nesse dia, mas mesmo assim, sabíamos que levaríamos o dia todo para chegar no nosso hotel, já no Parque Nacional de Banff, afinal iríamos viajar pela famosa, linda e imperdível Alberta Highway 93. Esta estrada de aproximadamente 300 km conecta os parques de Jasper e Banff e é passagem obrigatória no seu roteiro uma vez que tem uma quantidade absurda de lagos, trilhas e paisagens para se apreciar. Já no seu início foi possível presenciar uma lago incrível, o Horseshoe Lake.

Um pequena trilha de 200 m e lá está ele
Deu até para entrar um pouco (Até o joelho, claro rsrs)

A temperatura ajudava, algumas pessoas saltavam de cima do morro e a água era de uma transparência incrível. Tudo lhe convidava a entrar, mas apenas algo fazia você sair dela em menos de 2 minutos (O GELO). Sim, é uma água extremamente gelada e você não vai aguentar muito tempo dentro dela. Se você não gosta de água gelada molhe apenas seu pezinho, já será bem legal.

Esse meio é bem fundo e várias pessoas saltavam de cima das duas pontas
O Salto quase aconteceu….ficou no “quase” mesmo.
Lago imperdível. Coloque no seu GPS

E a estrada nos chamava, de volta a 93 e 4,3 km depois, chegamos à famosa Athabasca Falls.

Athabasca Falls

É uma cachoeira bonita que combina muito bem com a paisagem. De fácil acesso você não vai perder mais que 20 minutos nela (diferente da 1 hr 30 min no Horseshoe Lake). Afinal no Brasil também somos bem servidos de cachoeiras e tínhamos mais paisagens, lagos e uma “geleira” pela frente. Assim continuamos por mais 72 km até um dos mais famosos glaciares do mundo, mas antes de chegar, óbvio que a 93 não nos decepcionou.

Nesta estrada pare sem moderação
Pintura
E estávamos chegando ao destino principal do dia

Columbia Icefield Discovery Centre ou Simplesmente Glaciar Athabasca

Vista do estacionamento do Columbia Icefield Discovery Centre

O grande objetivo deste passeio é ir lá em cima, bem no meio do Glaciar. Mas resumidamente o que é esse “Glaciar Athabasca”?

O Glaciar Athabasca tem aproximadamente 6 km de comprimento e cobre uma área de 6 km² com uma espessura que varia entre 90 e 300 metros!!! (É muito gelo)

Devido ao aquecimento global, este glaciar recuou mais de 1.5 km nos últimos 125 anos, perdendo mais da metade de seu volume. Atualmente encontra-se em regressão à velocidade de 2-3 metros por ano. Pela facilidade de acesso é o Glaciar mais visitado da América do Norte.

Passada a teoria, vamos à prática: como chegar lá? Você precisa entrar no site https://www.brewster.ca/ e comprar antecipadamente seu ingresso que somente para esta atração custa 94 dólares canadenses (salgado, mas vale a pena). Com a opção do Mirante Skywalk sai um pouco mais caro. Como deixamos para para comprar somente na hora acabamos esperando 3 horas para iniciar nosso passeio, o que atrasou várias atrações que estavam marcadas para o final do dia. Portanto, compre antecipado e ganhe tempo!

E subimos lá a pé?

Meio de transporte

Esses são os ônibus que após 15 a 20 minutos de subida te deixam no alto do Glaciar. Será que eles dão conta?! Os motoristas costumam proporcionar informações interessantes sobre a atração e interagem bastante com os passageiros.

Ao chegar lá você fica livre para explorar por 30 minutos a atração.

Fazia um pouco de frio, obviamente. Se agasalhe um pouco
Gelo e Beleza misturados
Experiência Única
Os guias diziam que a água que escorria do gelo derretido era rejuvenescedora. Como já temos carinha de 17 anos deixamos passar

 

Mystaya Canyon, Hector Lake, Peyto Lake, Bow Lake e até mesmo Banff estavam em nossa programação do dia, mas o atraso de 3 horas fez com que a gente acabasse deixando para conhecer estes locais na manhã seguinte. Como nosso hotel era próximo do Lago Louise (iríamos ficar apenas uma noite nele) acabamos passando pela entrada de todas as atrações citadas o que nos fez retornar novamente no dia seguinte (o que realmente não foi um problema).

No próximo capítulo de nossa aventura (acesse aqui) sobre as Rochosas Canadenses (Parte 3 de 4) você vai saber mais sobre as atrações que não conseguimos realizar neste dia e muitas outras coisas, não deixe de acessar.

Aproveite para seguir nosso Instagram e curtir nossa página no Facebook. Deixe também sua dúvida nos comentários, ficaremos muito felizes em lhe ajudar.

Grande Beijo e até breve

Viajantes, Investidores, Apaixonados um pelo outro e pelo Balbo.

Deixe uma comentário